sábado, 26 de outubro de 2013

A NOSSA ALMA

A Alma do Homem
É como a água:
Do Céu vem,
Ao Céu sobe, 
E de novo tem
Que descer à terra,
Em mudança eterna.
(Guethe, Poemas - de 1749 a 1832).



Para o homem que se encontra na esfera do materialismo, que só pensa nas coisas materiais, torna-se difícil convencê-lo da existência da alma. Esse tipo de homem, infelizmente, só acredita naquilo que vê. Para ele o que predomina é a matéria. Vive na esfera do mundo visível, material. Rejeita tudo que os seus olhos não divisam.

Entretanto, aos materialistas, que não acreditam nas coisas invisíveis, podemos mostrar-lhes e provar-lhes que, ao lado do nosso mundo visível, existe um outro mundo invisível que se relaciona com o nosso mundo visível. Quanta coisa, dentro da nossa esfera material que não enxergamos e que realmente existem: não enxergamos o oxigênio que respiramos, mas sem ele a nossa vida se tornaria impossível.

Não enxergamos o vento, mas vemos os galhos das árvores balançarem. Não enxergamos a corrente elétrica, mas sem ela, por certo, não teríamos o benefício da luz. Não enxergamos a alma entranhada em nosso corpo, mas sem a alma não teríamos a vida. No momento em que a alma se afasta do nosso corpo físico, teremos a morte da matéria, mas em compensação, teremos as benesses da imortalidade.

A Biblia registra a existência da alma. Podemos ler no livro Gênesis, 2:7, que "o homem foi feito alma vivente". Vivemos como uma alma encarnada. A nossa vida só tem sentido quando a alma comanda o nosso corpo físico. No momento em que a alma deixa o nosso corpo, este se transforma em matéria orgânica e o espírito prossegue na sua evolução. Sabemos e temos ciência de que a alma desfruta do privilégio da imortalidade.
Encontramos no Salmo 116:6 "Tu, Senhor, livraste a minha alma da morte". Ensina-nos Allan Kardec que a nossa alma pode ser encarada sob um duplo aspecto: o da existência e o da imortalidade. "Quando a alma está entranhada em nosso corpo físico, ela prova que somos seres orgânicos, que temos vida; quando a alma se retira do corpo, ela caminha para Plano Maior como espírito e a nossa matéria se torna inorgânica, transforma-se em podridão".

Jesus nos afirmou: "Não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma". (Mateus, 10:28). Não vemos alma que está entranhada no nosso corpo físico, mas sentimos os seus efeitos. Quem pensa é a alma, quem guarda os sentimentos também é a alma, quem pensa e comanda a nossa memória, sem dúvida, é nossa alma. Ao reencarnarmos, há a correspondência entre a matéria e o espírito. O espírito é o elemento principal, é o ser pensante, comanda o corpo físico e sobrevive a morte.

O nosso corpo físico não é mais que um acessório do espírito, um invólucro, uma roupagem que ele abandona depois de o usar. Cientes da nossa efemeridade, temos que ter bastante cautela. Cuidemos do espírito, que comanda o nosso corpo, através dos nossos gestos de amor e bondade.

Não devemos nos apegar aos bens materiais. Para vivermos, basta o necessário. Ouçamos a recomendação do evangelista Marcos (8:36): " o que aproveitaria ao homem ganhar todo o mundo e perder a sua alma?" Devemos, enfim, acumular os tesouros da alma, que "os ladrões não conseguem roubar e que as traças não conseguem destruir".

Domério de Oliveira - O Semeador, outubro/04