segunda-feira, 29 de outubro de 2012

É o homem que faz a humanidade





Assim, a alma humana sempre se elevará, subindo a escala  dos desenvolvimentos infinitos. 

Chegará o tempo em que a inteligência predominará cada vez mais, desprendendo-se da crisálida* carnal, estendendo, afirmando seu império sobre a matéria, criando com seus esforços novos e mais amplos meios de  percepção e manifestação. Os sentidos, por sua vez, apurados, deverão se ampliar seu círculo de ação. O cérebro humano se tornará um templo misterioso, de naves vastas e profundas, cheias de harmonias, vozes, perfumes, instrumento admirável ao serviço de um espírito que se tornou mais sutil e mais poderoso.

Ao mesmo tempo que a personalidade humana – alma e organismo – a pátria terrestre se transformará. Para que o meio evolua, é preciso que primeiramente o indivíduo evolua. É o homem quem faz a humanidade, e a humanidade, por sua ação constante, transforma sua morada. Há equilíbrio absoluto e relação íntima entre o moral e o físico. O pensamento e a vontade são as ferramentas por excelência com as quais podemos transformar tudo em nós e ao redor de nós. Tenhamos apenas pensamentos elevados e puros; aspiremos a tudo o que é grande, nobre e belo. Pouco a pouco sentiremos nosso próprio ser se regenerar e, com ele, do mesmo modo, todas as camadas sociais, o globo e a humanidade! Em nossa ascensão, chegaremos a compreender melhor e a praticar essa comunhão universal que une todos os seres. Inconsciente nos estados inferiores da existência, essa comunhão torna-se cada vez mais consciente à medida que o ser se eleva e percorre os degraus inumeráveis da evolução, para chegar, um dia, ao estado de espiritualidade em que cada alma, irradiando o brilho das potências adquiridas, nos impulsos de seu amor, vive da vida de todos e se sente unida a todos na obra eterna e infinita".

LÉON DENIS.