domingo, 9 de março de 2014

Nós pagamos os tratamentos dentários deles- Boca Rica

Tratamentos dentários e até botox para alguns dos nossos senadores, com dinheiro público. Simon levou R$ 62,7 mil em 2012.

De acordo com reportagem divulgada neste domingo 9 pelo jornal o Estado de São Paulo, as contas de planos odontológicos e de saúde dos senadores brasileiros custaram, em média, R$ 6,1 milhões ao ano entre 2008 e 2012.

Primeiro a defender a moral e os bons costumes na tribuna do Senado, em posição semelhante ao do tristemente famoso moralista Demóstenes Torres, José Agripino Maia, presidente do DEM, espetou uma conta de R$ 51 mil, em 2009, referentes à implantação de 22 coroas de porcelana aluminizada. Uma opção estética, como destacou a reportagem do Estadão. Agripino justificou como necessidade

- Ia jantar, e caía., disse ele.

Intocável, até o senador Pedro Simon (PMDB-RS) aparece na lista dos beneficiados pelo plano de saúde do Senado. Ele obteve ressarcimento de R$ 62,7 mil em gastos com tratamento dentário em 2012.

Também procurou ficar alinhado com o dinheiro do público, que alimenta os cofres do Senado na forma de pagamento de impostos, o ex-senador Milton Cabral.


Beneficiário direto do fato de o plano de saúde do Senado ser vitalício, e extensivo a parentes dos políticos, Cabral, que encerrou seu último mandato em 1986, lançou, no ano passado, na contabilidade do Senado, notas fiscais com gastos R$ 5,1 mil para pagamento de aplicações de botox em nome dele e da mulher. É a chamada estratégia "se colar, colou", usada porque, até aqui, o plano de saúde do Senado não é fiscalizado por qualquer tipo de auditoria.