segunda-feira, 4 de junho de 2012

Revolta de médica toma conta do Brasil-Ela ganha só 4.100


Uma médica do Hospital Rocha Faria, em Campo Grande, zona oeste do Rio de Janeiro, desabafou sobre a situação precária em que se encontra a saúde do Estado. Angela Tenório afirma estar sobrecarregada e cansada do descaso com os pacientes.
— Estou sozinha nessa porcaria aqui. Não posso fazer nada pelo excesso de pacientes doentes. E a secretaria [de Saúde] e o governador [Sérgio Cabral] não fazem nada. Cadê o Pedro II [hospital estadual]? Nós somos sobrecarregados. Eu sou diabética e hipertensa. O Pedro II está lá, com médicos que não atendem porque não tem cama. Eu já estou de saco cheio. Eu vou ser punida por uma boa causa.
Desde o incêndio no Hospital Estadual Pedro II, em Santa Cruz, na zona oeste, há quase dois anos, o Hospital Rocha Faria está sempre superlotado. Todos os dias há congestionamento de ambulâncias e doentes que se aglomeram esperando atendimento.
Diversos pacientes reclamam da falta de médicos e de equipamentos de saúde. Segundo Angela Tenório, as condições são precárias e as pessoas correm risco de morrer.
— A saúde está zerada, os pacientes estão à míngua e estão morrendo.
Por meio de nota, a direção do Hospital Estadual Rocha Faria informou que o quadro médico estava completo na quarta-feira, mas confirma que a superlotação tem sido uma realidade na unidade desde o incêndio e fechamento do Hospital Pedro 2º. No dia em que foi feita a reportagem, foram realizados 597 atendimentos de emergência na unidade, quatro vezes mais do que sua capacidade (120 atendimentos/dia). O hospital ressalta que todos os pacientes são atendidos.