terça-feira, 6 de novembro de 2012

O homem criou o Diabo




Como sabemos, a Bíblia tem centenas de citações que variam entre os seguintes termos: Diabo, Demônio e Satanás. Todos esses termos têm significados que expressam algo totalmente diferente do que é dito pela doutrina católica e protestante. Vamos a elas:

Diabo: tudo que é contrário a Deus. A luxúria, a ganância, o adultério, etc.

Demônio: originado do grego daemon. Significa espírito e pode ser bom ou mal. Pelo fato de o Novo Testamento ter sido escrito em grego, utilizou-se este termo;
Satanás: é a representação de tudo que é mal. Todas as escolhas erradas que o homem faz. 

O Satanás é o mal, como também o é o diabo;
E de onde vem aquele homem de chifres, vermelho, que tem rabo de seta e usa um tridente? Boa pergunta...
A Igreja Católica por acreditar ser a única de Cristo, queria que todos fizessem parte dela. E os santíssimos papas nos diversos conselhos que houveram, decidiram fazer um mix dos deuses pagãos e de outras crenças (contrárias ao catolicismo) para criar um ser horrendo que as pessoas tivessem medo, isso por volta do século III. Daí criou-se a encarnação de Satanás e o inferno de fogo ardente. A igreja pregava que todos os que professavam uma fé diferente daquela habitaria no inferno para sempre sendo tentado por Satanás no inferno. Além de fiéis, ganhou muito, mas muito dinheiro sustentando essa mentira no decorrer dos séculos (pesquisar sobre a Reforma de Lutero).

Depois disso o Diabo tomou diversas outras formas, onde uma delas foi a representação racista de um homem negro de barbas. Isso devido às crenças afro-descendentes não serem monoteístas e não professarem a mesma fé católica. Daí então se atribuiu outros nomes ao Diabo como, por exemplo, Exú, Tranca-Rua, entre outros, para representarem as entidades afro-religiosas deturpando o seu real sentido.
E agora que você sabe disso, consegue uma resposta à pergunta lançada? Quem criou o Diabo, Deus ou o homem?

Então quem faz o mal afinal?
O mal quem faz é o próprio homem em suas escolhas erradas. Ele, com o seu livre arbítrio, escolhe um caminho diferente daquele que segue a perfeição divina. Escolhe caminhos que ao invés de levarem a Deus, levam-no à sensualidade, ao materialismo, à ganância e toda sorte de sentimentos que nos distancia da Divina Providência. Mas devido à infinita misericórdia de Deus, o perdão sempre nos é dado e uma nova chance de pagar por nossos pecados é concedida, seja nessa ou noutra vida. (Vide Reencarnação: uma questão de Justiça).
Claro que também somos tentados por espíritos infelizes e imperfeitos. Assim como existem homens que não gostam de ver o nosso sucesso, os espíritos, que nada mais são que as almas dos homens, também não ficam satisfeitos quando estamos no caminho correto e tentam de toda forma nos influenciar para o mal. Mas com o nosso avanço intelecto-espiritual nós ficaremos menos susceptíveis a essas tentações. A prece, no nosso estado atual de evolução, é o meio mais eficaz de nos abstermos dessas más influências.