terça-feira, 7 de maio de 2013

Tiro na cabeça, queimar mulher viva, estupro em ônibus- Eles são vitimas, nós, algozes

O delegado da 17ª DP (São Cristóvão), Maurício Luciano, afirmou que a violência sexual contra uma mulher de 30 anos dentro de um ônibus da linha 369 (Bangu-Carioca), na avenida Brasil, no Rio de Janeiro, durou cerca de seis minutos. O crime ocorreu na sexta-feira (3).
O suspeito, cuja identidade não foi divulgada, teria estuprado a vítima “no centro do ônibus, na área reservada aos deficientes e no corredor”, segundo o titular do distrito policial.
Nesta tarde, a Polícia Civil divulgou a primeira imagem do acusado. O vídeo gravado pela câmera interna do veículo mostra que a ação criminosa teve início às 15h35, quando o suspeito anuncia um assalto, cinco minutos depois de entrar no ônibus, na altura da favela do Muquiço, em Guadalupe, na zona norte. Havia cerca de dez passageiros no coletivo.
Em entrevista, uma passageira que viajava no ônibus contou os momentos de pânico. “Eu nunca imaginei que isso fosse acontecer comigo, acho que não vou conseguir voltar a andar de ônibus”, disse a mulher.
“Ele pegou essa moça, botou ela pra frente e estuprou ela. Botou ela sentada no banco da frente, do lado dele, e ele sentado no canto e ela na ponta. Ela fazia tudo que ele mandava porque ela tinha uma arma na cabeça dela. Ele deu uma coronhada na cabeça dela. Ele dizia que ia matar a gente se a gente reagisse”.
A mulher estuprada é do Mato Grosso e moradora da Vila Aliança, em Bangu, na Zona Oeste do Rio.
* Fonte: