segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Bombeiros querem desvinculação da BM

A desvinculação do Corpo de Bombeiros da Brigada Militar voltou a ser reivindicada pela Associação dos Bombeiros do RS (Abergs). De acordo com o coordenador da associação, soldado Ubirajara Pereira Ramos, a entidade pretende marcar audiência com o governador Tarso Genro e com o comando da BM, para conversar sobre o assunto. O tema é antigo. Em 1995, projeto semelhante foi arquivado na Assembleia Legislativa. Em 2000, ele veio à tona e, nos últimos quatro anos, foi discutido, sem resultados concretos.

Atualmente, o Estado tem cerca de 2,4 mil homens. Nem todos os municípios, porém, têm Corpo de Bombeiros. A desvinculação proporcionaria aumento do efetivo e orçamento próprio. “São 124 quartéis em todo o RS, que abrangem 93 municípios”, afirma o coordenador da Abergs. “Ou seja, cerca de 400 municípios estão sem bombeiros”, diz Ramos. Uma das reivindicações, conforme Ramos, refere-se à formação. Lembra que 70% do curso é voltado ao policiamento ostensivo e 30% à atividade de bombeiro propriamente dita. “Isso prejudica a formação, além de ser desperdício. O Estado investe em qualificação que o bombeiro não vai usar”, afirma. Segundo Ramos, na Bahia, a separação ocorrerá em 2012; e no Paraná, neste ano. No Rio Grande do Sul e em São Paulo, ressalta, a corporação está ligada à Polícia Militar. “Aqui (no RS), os bombeiros eram separados da BM e, em 1935, houve a vinculação à Brigada”, disse.

O comandante-geral da BM, coronel Sérgio Roberto Abreu, afasta qualquer perspectiva de desvinculação. Destaca que existe política para qualificação e reequipamento, além de aumento de efetivo dos bombeiros. “Quanto ao curso, existe a formação básica para qualquer servidor da BM”, disse. “Depois, segue a parte direcionada aos bombeiros.” O comandante da BM lembra que existe um quadro funcional específico para a categoria. “Os bombeiros do RS são referência. Alguns foram à África ser instrutores e tiveram cursos por meio de convênio com o Japão.”

PAULO ROBERTO TAVARES
Correio do Povo