segunda-feira, 8 de julho de 2013

O tempo e as jabuticabas

De Rubem Alves


"Contei meus anos e descobri



Que terei menos tempo para viver do que já tive até agora



Tenho muito mais passado do que futuro



Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de jabuticabas
As primeiras, ele chupou displicentemente,



Mas, percebendo que faltam poucas, rói o caroço



Já não tenho tempo para lidar com mediocridades



Inquieto-me com os invejosos tentando destruir quem eles admiram



Cobiçando seus lugares, talento e sorte



Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas



As pessoas não debatem conteúdo, apenas rótulos



Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos.



Quero a essência

Minha alma tem pressa


Sem muitas jabuticabas na bacia


Quero viver ao lado de gente humana, muito humana


Que não foge de sua mortalidade


Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade."