domingo, 7 de setembro de 2014

Brasil

Num estádio de futebol, trinta mil torcedores gritam em coro: “Filho da puta!”, referindo-se ao árbitro que deu um pênalti inexistente para o time adversário. Nada acontece, uma vez que “filha da puta” é uma força de expressão, não ofende a moral da senhora mãe do vaiado. Noutro estádio, um torcedor grita: “Macaco”, referindo-se ao árbitro ou a um jogador. O clube é processado por racismo, uma vez que o vaiado tem a pele escura. Num terceiro estádio (ou arena), um torcedor joga um vaso sanitário na cabeça de outro torcedor, tirando-lhe a vida. Nada acontece ao clube. A ofensa referente à cor da pele é mais grave que o assassinato.