terça-feira, 2 de setembro de 2014

O tempo esta mais acelerado? Se acha que Não então leia

RESSONÂNCIA SCHUMANN – Aceleração do Tempo


Não apenas as pessoas mais idosas mas também jovens fazem a experiência de que tudo está se acelerando excessivamente. Ontem foi natal, dentro de pouco será Páscoa, mais um pouco, Natal de novo. Esse sentimento não é ilusório. 

Pela ressonância Schumann se procura dar uma explicação. O físico alemão Winfried Otto Schumann constatou em 1952 que a Terra é cercada por uma campo eletromagnético poderoso que se forma entre o solo e a parte inferior da ionosfera, cerca de 100km acima de nós. Esse campo possui uma ressonância (dai chamar-se ressonância Schumann), mais ou menos constante, da ordem de 7,83 pulsações por segundo. Funciona como uma espécie de marca-passo, responsável pelo equilíbrio da biosfera, condição comum de todas as formas de vida. Verificou-se também que todos os vertebrados e o nosso cérebro são dotados da mesma frequência de 7,83Hz (hertz).

Por milhares de anos as “batidas do coração” da Terra tinham essa freqüência de pulsações e a vida se desenrolava em relativo equilíbrio ecológico. Ocorre que a partir dos anos 80, e de forma mais acentuada a partir dos anos 90, a freqüência passou de 7,83 para 11 e para 13Hz por segundo. O coração da Terra disparou.

Coincidentemente, desequilíbrios ecológicos se fizeram sentir: perturbações climáticas, maior atividade dos vulcões, crescimento de tensões e conflitos no mundo e aumento geral de comportamentos desviantes nas pessoas, entre outros. Com a aceleração geral, a jornada média do tempo que era de 24 horas, agora é somente de 16 horas. Portanto, a percepção de que tudo está passando rápido demais não é ilusória, não é loucura e nem culpa da vida robótica que o “sistema” nos força a viver,mas teria base real nesse transtorno da ressonância Schumann.

Nosso planeta possui um eixo geológico e um outro magnético. O eixo polar magnético é o ponto pelo qual a Terra gira ao redor de seu próprio eixo. Ao desenvolver um movimento de rotação, existe o atrito de moléculas presentes em nossa atmosfera com as partículas do espaço sideral, que por sua vez, possuem diferentes camadas de interação molecular com as diferentes densidades da atmosfera terrena.

A Terra por sua vez, possui os anéis de Van Allen, que são similares aos anéis de Saturno, só que invisíveis aos nossos olhos aqui da superfície. Também são menos densos que os apresentados por Saturno. No entanto eles existem e possuem uma determinada densidade molecular. Essa densidade envolve a Terra. Ao existir o movimento de rotação sobre o nosso eixo magnético, existe um atrito, que gera energia. Essa energia está diretamente relacionada com o campo magnético que envolve a Terra. Sendo assim, existe uma emanação de energia como uma malha e ao mesmo tempo como uma bolha de energia ao redor de todo o nosso planeta. Essa energia por sua vez, interage com todo tipo de estrutura atômica do planeta e, portanto, com os seres vivos em todos os reinos.

Dessa forma o que temos é que todas as formas de vida do planeta Terra são submetidas a um campo magnético que interage com o seu processo metabólico e celular. Os valores até então considerados normais encontrados nas leituras da dita freqüência Shumann, eram entre 7 e 8 ciclos por segundo ou Hertz. No entanto esses valores aumentaram muito nos últimos anos e atualmente já chegam, na média global, a valores de 11,8 pelas leituras efetuadas pelo professor Braden. No entanto outras fontes via canalização já falam de valores muito próximos à cifra de 13 Hz, o que nos colocaria em um ponto extremamente crítico de interferência em nosso campo sensorial.
Verificou-se que a inclinação do eixo da Terra não mais é de cerca de 24 graus, mas sim algo e torno de 14 graus medidos em 2001. Isso traz novas perspectivas sobre as mudanças climáticas e sensoriais nas pessoas, pois o ser humano também é regido pela inclinação do eixo terrestre em seu sistema metabólico e energético, pois interage diretamente na hipófise , na pituitária, e na pineal, o que acaba por interagir em muitos aspectos da espiritualidade e raciocínio das pessoas.

O Ponto Zero e o campo eletromagnético da Terra estão se alterando de forma impressionante, Medições efetuadas demonstram que o nosso tempo está menor do que realmente podemos medir. Até cerca de 2 a 3 anos, se falava que um dia de 24 horas medido pelos nossos relógios, possuía na verdade aproximadamente 16 horas reais. Isso explicava a nossa sensação de que o tempo está cada vez mais curto. Segundo as novas informações e medições efetuadas pelo professor Braden, teríamos no momento atual, isso em 2002 quando essa matéria foi escrita e distribuída para muitas pessoas, um valor próximo à cerca de 12 horas reais. Essa informação é válida, partindo de análises científicas que se somam às informações que podem ser encontradas pelos pesquisadores do Calendário Maia e outras referências sobre a mudança dos pólos terrestres e sobre os efeitos desse processo dentro da psique humana.

Os animais não estão sendo muito influenciados pelo aumento da ressonância Schumann porque suas ondas cerebrais normais estão em faixas espectrais acima das humanas (em várias dezenas de ciclos por segundo).


Abaixo, segue um gráfico da medição da oscilação do TEMPO em 2006 – notem que apenas houveram dias com pelo menos 24hrs de duração em Março, Setembro e Outubro.
O topo da escala (eixo Y) é a linha que representa 24hrs, abaixo dela a linha de 18hrs, depois 12hrs e mais abaixo 6hrs. Observe que na maior parte do ano, a duração REAL dos dias oscilou muito, principalmente dentro do intervalo de 12hrs e 18hrs. Porém de outubro para frente, a maior parte dos dias MAL CHEGOU a durar 12 hrs!

Fonte: http://icedmetal777.wordpress.com/


Image