segunda-feira, 14 de maio de 2012

A GENTE QUE EU GOSTO

Eu gosto de gente que vibra, que não tem de ser empurrada, que não tem de dizer para que faça as coisas, mas que sabe o que tem que fazer e que faz. A gente que cultiva seus sonhos até que esses sonhos se apoderam de sua própria realidade.
Eu gosto de gente com capacidade para assumir as consequências de suas ações, de gente que arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho, que se permite, abandonar os conselhos sensatos deixando as soluções nas mãos de Deus.
Eu gosto de gente que é justa com sua gente e consigo mesma, da gente que agradece o novo dia, as coisas boas que existem em sua vida, que vive cada hora com bom ânimo dando o melhor de si, agradecido de estar vivo, de poder distribuir sorrisos, de oferecer suas mãos e ajudar generosamente sem esperar nada em troca.
Eu gosto de gente capaz de me criticar construtivamente e de frente, mas sem me machucar ou me ferir. De gente que tem tato.
Gosto da gente que possui senso de justiça.
A estes eu chamo de meus amigos.
Eu gosto de gente que sabe a importância da alegria e a pratica. De gente que por meio de piadas nos ensina a conceber a vida com humor.
Pessoas que nunca deixam de ser infantis.
Eu gosto das pessoas cuja energia é contagiosa.
Gosto de pessoas sinceras e honestas, capazes de motivos razoáveis ​​para se opor a qualquer decisão.
Gosto de gente fiel e persistente, que não descansa quando se trata de alcançar objetivos e idéias.
Eu gosto de pessoas de opinião, que não se envergonhem de admitir que estava errado ou que não sabe alguma coisa. Pessoas que, ao aceitar seus erros, faz um esforço genuíno para não repeti-los.
De gente que luta contra adversidades.
Gosto de gente que busca soluções.
Eu gosto de gente que pensa e medita internamente.
De gente que valoriza seus semelhantes, não por um estereótipo social ou como se apresentam.
De gente que não julga, nem deixa que outros julguem.
Gosto de gente que tem personalidade.
Eu gosto de gente que é capaz de entender que o maior erro do ser humano é tentar arrancar da cabeça aquilo que não sai do coração.
A sensibilidade, a coragem, a solidariedade, a bondade, o respeito, a tranquilidade, os valores, a alegria, a humildade, a fé, a felicidade, o tato, a confiança, a esperança, o agradecimento, a sabedoria, os sonhos, o arrependimento, e o amor para com os demais e para consigo próprio são coisas fundamentais para chamar-se GENTE