quarta-feira, 10 de abril de 2013

Somos no todo ou um pouco igual a Ulisses


Ulisses é um homem sério e bem sucedido.  Engenheiro trabalha para uma grande empresa na capital São Paulo. Homem de família bem casado e com três filhos. De moral rígida. De todos exige conduta irrepreensível. Não perdoa ao menor deslize de seus subordinados ou familiares, apontando o erro cometido com a precisão de um bisturi.
          
Vive preocupado com as faltas alheias, e também com as suas. Não confia no próximo; alias nem em si mesmo. Não confia na vida , acreditando  que a qualquer  hora alguma tragédia vai ocorrer. Aliás, preocupações são o grande problemas do nosso engenheiro. 

Preocupa-se com a família, com os filhos, com o emprego, a saúde, com a  economia,  bolsa de valores, com o futebol etc...Quer a todo custo, planejar tudo que ocorre em sua vida, detesta surpresas. Suas férias são planejadas com antecedência  mínima de um ano. Mas quando esta em férias, preocupa-se com o trabalho. Não se desliga.
    
“ Quando está no trabalho, preocupa-se com a família com algum  filho doente, ainda que seja uma simples gripe. E, quando a noite chega em casa, estando  ao lado da família, não consegue se desligar dos problemas no trabalho. 

Ulisses tem um habito bem interessante; adora frequentar  farmácias e ler bulas de remédios. Basta alguém estar doente para ele logo dar seu receituário. Entre tanto, vive doente;ora uma pedra no rim, ora uma gastrite ou uma pressão alta. O colesterol esta sempre alterado, sem falar na diabete. Consultou  vários médicos, conseguindo apenas alivio para seus sintomas, mas não a cura. E cada vez mais preocupado, tenso , irritado.

Ulisses acabou de sofrer um violento acidente de trânsito, e esta no hospital. Seus estado é grave. Ulisses sempre esteve muito preocupado. Sempre temeu doenças. acidentes, desempregos, tragédias e catástrofes. Ulisses agora tenta rever a vida que tanto desprezou.

Mas como desprezei? Disse ele- Sim meu amigo, desprezou valiosos patrimônios, colocados a sua disposição. Nasceu em uma família que nunca, experimentou dificuldades econômicas. Teve escola e boa educação no lar. Com os estudos desenvolvidos, obteve ótimo emprego. Casou-se com uma companheira alegre e devotada, e foram colocado em seu lar três espíritos queridos que enfeitam sua casa de amor e ternura. 

Sempre desfrutou de boa saúde, sem doenças graves, apesar de todos seus temores infundados. Mas, apesar de tudo, você elegeu preocupação como forma de viver. Toda via, não viveu, porque quem se preocupa além da conta como você perde infinitas possibilidades na vida. 

Você nunca esta por inteiro nas suas atividades, pois amente vive deslocada para outras situações imaginárias cujos os perigos só existem na sua cabeça. A  preocupação que você elegeu como forma de viver tornou-se sua forma de morrer. 
Vivia com medo de tudo, isolava-se das pessoas, dos amigos e dos próprios familiares. 

Sempre temia pelo pior, tinha medo de viver, tinha medo da própria felicidade. Implicava constantemente com os outros, inflexível em suas posições. Esse seu modo de viver atraiu pra si exatamente o que você temia; uma tragédia um violento acidente. 

Agora lhe pergunto, Ulisses: Como você pode voltar a vida se dela esta saindo por livre e espontânea vontade?

Ulisses chorava intensamente, derramando lágrimas de remorso e desespero, porque constatava a veracidade das observações daquele homem que nunca tinha visto, mas que sabia dele como ninguém, seu protetor espiritual, Donato.