sábado, 23 de abril de 2011

Cura ao doente

Inacreditável como a vida é, claro, de acordo com suas variantes. Outro dia passou por mim um senhor, na sua frente, um carrinho  com duas rodas, e ele o empurrando, continha, muita coisa reciclável, porém mais afrente, sua esposa, uma senhora com uns 70 anos. Ela como estava na frente andava mais rápido e ele empurrando seu carrinho. Refleti sobre ambos, perguntas vinham na mente, sobre aquelas duas pessoas, que aparentemente poderiam ser classificadas como desafortunadas, mas as coisas, não são assim. Se olharmos com os olhos da terra,  teremos uma visão assim como se olharmos com olhos espirituais veremos de outra maneira. Não que  a restrições de bens materias seja uma punição, assim como o excesso seria um prêmio de Deus a quem o despunha. A palestrante: Regina de Agostini- Rio de Janeiro- 24/07/1998 responde:

Você não acha que pessoas sem a mínima condição social, que passam fome, por exemplo, têm menos chance de evoluir espiritualmente que as outras, sendo que até sua inteligência é afetada pela fome?


Regina de Agostini: Cada situação traz em si um aprendizado. Quando nós estamos na falta do bem material, o principal aprendizado é o moral, da paciência, de resignação, de entendimento, que pode ser feito em qualquer situação. Poderíamos dizer que a pessoa que está em uma condição social de pobreza, ou até mesmo miséria, não tem acesso às condições de desenvolvimento intelectual, embora o aprendizado moral possa ser feito em todas as situações.

Então se uma pessoa é pobre, deve-se considerar que a maior parte dessas pessoas tem um desafio a cumprir em relação a falta de posses materiais, certo? Então, quando se pratica a caridade com tais indivíduos, não se estaria desviando-os do seu objetivo de evolução?


Regina de Agostini: Todos nós temos desafios a vivenciar, a superar e contamos sempre com o próximo, com aqueles que conosco convivem para podermos vencer esses nossos desafios. É da Lei de Deus a ajuda, o amparo, o desenvolvimento do amor, da caridade, dentro de todas as nossas possibilidades. Se o outro tem uma prova a cumprir, nós temos sempre o dever de ajudar na amenização das provas e das dificuldades do próximo, assim como gostaríamos de sermos ajudados em situações semelhantes. Deus ajuda o homem através do próprio homem. Muitas vezes somos instrumentos de Deus para o alívio do sofrimento alheio.

Por que será, que mesmo em países de bom desenvolvimento cultural, ainda encontramos algumas desigualdades sociais?


Regina de Agostini: A causa imediata das desigualdades sociais é dada pela diversidade dos caracteres e das aptidões. De acordo com o "Evangelho Segundo o Espiritismo", Capítulo XVI, item 08, pergunta: "Por que não são igualmente ricos os homens?" Resposta dos Espíritos: "Não o são por uma razão muito simples: por não serem igualmente inteligentes, ativos e laboriosos para adquirir, nem sóbrios e previdentes para conservar (...) Supondo efetuada essa repartição de riquezas, o equilíbrio em pouco tempo estaria desfeito pela diversidade dos caracteres e das aptidões". (t)

Nosso planeta progredirá, ao ponto de não mais termos desigualdades sociais no mesmo? Pode citar exemplos trazidos pelos amigos espirituais?


Regina de Agostini: Estamos muito preocupados com as desigualdades sociais pelo desentendimento da sua função educativa para Espíritos num determinado nível de desenvolvimento. Certamente que, quando alcançarmos um nível espiritual melhor, mais adiantado, as desigualdades deixarão de nos incomodar tanto. Acredito que continuamos a confundir desigualdade de posições sociais com desigualdade de condições sociais. Não lembramos, no momento, de exemplos trazidos pelos Espíritos a respeito de sociedades em que não hajam essas diferenças entre os Espíriritos.

Se a igualdade social é uma utopia, isso quer dizer que a Doutrina Espírita se opõe as idéias comunistas, como as de Karl Marx, por exemplo?


Regina de Agostini:  Segundo podemos ler em "Socialismo e Espiritismo", de Léon Denis, pág. 19, 2a. Edição - Casa Editora O CLARIM: "Uma incursão pela história, nos faz passar pelo socialismo de Platão, Thomas Morus, Campanella, Engels, Marx, Lenin, etc, mas as contradições que podem nos levar exatamente ao contrário do que se procura, estão nas limitações puramente econômicas das fórmulas e da análise. O Espiritismo acrescenta um outro elemento ao Socialismo, distinguindo-o das outras fórmulas (...)". A Doutrina Espírita propõe a modificação moral do homem como ponto básico para a modificação das estruturas sociais.
***
Observo que as diferenças, sejam de que forma for, na verdade é um presente de deus, entender esse processo, faz com que saibamos que tudo em nossa volta ocorre na mais perfeita ordem, dando razão, que mesmo no caos absoluto, a matéria é reordenada, propiciando assim a cura ao doente.