quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Eu jamais mudaria


Sempre digo que fui feliz quando criança, mesmo mal tendo o que comer e pouco pra vestir, sempre digo que quando adolescente fui feliz, mesmo mal tendo o que comer e pouco pra vestir. Agora eu entendo,  poderia ter tido uma vida boa, confortável, mas nada, nada valeria a pena se não tivesse a mãe e o pai que tive. Se me fosse dado a oportunidade de mudar algum item, alguma situação de minha vida, uma experiência fatídica, por pouco que seja, eu não mudaria nada, nada, nem um ponto, nem uma vírgula. Hoje vejo mais, sinto mais, prevejo mais. A clareza de acontecimentos passados me fez mudar, me fez ver que tudo está exatamente em seu lugar, era assim que deveria ser, e é assim que será. Sei também que alguns acontecimentos virão, assim como sei, que cada problema obedece a um determinado objetivo, repito, é assim, e sempre será.

*Na foto, Luiz Quilherme, Eu no meio, e o amigo Airton, isso, em 1971.